Arquivos do Blog

As empresas pirâmides financeiras. Confira como trabalham.

7081_2_L.jpg.ashxPirâmides financeiras:Saiba o que é.

Assunto muito ouvido ultimamente sobre as pirâmides financeiras, gerou muita repercussão e interesse da parte imprensa em descobrir como tais empresas trabalham.

Aqui, posto uma matéria divulgada pelo jornal Zero Hora de Porto Alegre, falando sobre o tipo de trabalho dessas empresas. Confira

Empresas oferecem altos ganhos em negócios semelhantes ás pirâmides financeiras

Empresas de vendas diretas por meio de marketing de rede serviriam de disfarce para esconder esquemas financeiros fora da lei.

Um tipo de golpe bastante comum nas décadas de 1980 e 1990 no Brasil pode estar de volta sob um formato mais sofisticado. Para o Ministério Público, algumas empresas que dizem atuar com venda direta por meio de marketing de rede serviriam de disfarce para esconder um elaborado esquema de pirâmide financeira, que é contra a lei. A primeira denúncia partiu do Acre, em junho. Segundo acusação do Ministério Público daquele Estado, a empresa Telexfree serviria de fachada para uma fraude milionária. A companhia mimetizaria a estrutura de empresas consideradas legais a fim de afastar suspeitas tanto das potenciais vítimas quanto das autoridades. E não seria a única.

— É mais sofisticado porque vai além da simples troca de dinheiro por dinheiro como era antigamente. Há a venda de bens ou serviços. No entanto, o produto é vendido bem acima do preço médio de mercado. O resultado é que só uma pessoa envolvida no esquema seria capaz de comprá-lo e o único modo de fazer dinheiro seria recrutar mais pessoas — afirma a promotora Alessandra Marques.

A Telexfree vende um programa de computador que permite ligações nacionais e internacionais. O plano custa US$ 49,90, cerca de R$ 111 por mês, para 3 mil minutos de ligação. O programa é semelhante a outros que permitem fazer ligações telefônicas pela internet e podem ser baixados de graça.

Tão logo o Ministério da Justiça anunciou a abertura de processo administrativo contra a empresa, a repercussão foi imediata. Distribuidores da Telexfree organizaram protestos, não por terem sido lesados pela empresa, mas alegando prejuízo com a decisão da Justiça. Eles se queixam por deixar de receber a remuneração em várias cidades do país, inclusive Porto Alegre. No Brasil, existem mais de 1,35 milhão de cadastros. As manifestações foram ainda mais fortes no Acre, onde há em torno de 70 mil cadastrados, cerca de 10% da população do Estado.

— A maioria dos participantes é formada por pessoas humildes, que largaram o emprego e venderam bens para poder participar. Eles realmente acreditam que estão realizando um trabalho honesto, por isso a indignação — afirma a juíza Thaís Kalil, responsável pela decisão de suspender as atividades da empresa no país.

Há 20 dias, a magistrada tem recebido ameaça de morte por e-mail e por telefone. A companhia chegou a recorrer da decisão, mas o desembargador Samoel Evangelista manteve a liminar sob pena de pagamento de R$ 100 mil em cada novo cadastramento ou recadastramento. O caso voltará a ser analisado na segunda-feira por uma turma de magistrados.

%d blogueiros gostam disto: